quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Biblioteca Pública Municipal de Vila Nova de Gaia - comemoração do 80 anos da sua criação 1933-2013


Biblioteca Pública Municipal de Vila Nova de Gaia

Biblioteca de Gaia no final da sua construção, em 1978/1979





Livro de Inventário da Biblioteca Popular em 1904


Carimbo da Biblioteca Popular anexa ao Museu Municipal Azuaga, [19--]


Carimbo da Biblioteca Pública Municipal de Vila Nova de Gaia, séc. XX, década de 30/40



Cópia da Ata da C.M.G. n.º 24 de 28 de Dez. de 1933, p. 20


A Biblioteca Municipal de Vila Nova de Gaia foi criada em 28 de Dezembro de 1933, por resolução da Câmara Municipal de Gaia. Aproveitando as comemorações do centenário da criação do Município de Gaia, é na sobredita sessão, que o senhor Padre Moreira de Sousa, Vereador de Instrução e figura de elevado apreço na sociedade gaiense, propõe a sua criação, dada as necessidades prementes de uma terra que precisa de Cultura e Saber. Para isso, nada melhor do que uma biblioteca que permitia a todos, aceder aos livros, que são o testemunho da nossa vida e do nosso pensamento. Informava então, que a mesma já tinha sido agraciada com uma oferta de cerca de dez mil exemplares por parte de Adolfo Maria de Sá Monteiro, e que constituiriam o núcleo inicial da biblioteca. Propõe, também, a consequente organização do Museu Azuaga, e que se procedesse aos estudos e trabalhos necessários para a próxima construção de um edifício próprio, onde os mesmos possam ser convenientemente instalados. Aproveita a ocasião para propor também, a criação do lugar de Diretor dos Museus Municipais e Biblioteca Pública de Gaia, e que o mesmo fosse provido pelo arqueólogo e publicista, senhor Armando Manuel de Lemos de Matos, que considera homem competente, cuja acção é de realçar no arrumo e aproveitamento de tantos valores preciosos como digno dos maiores elogios. 

Cf. Ata da C.M.G. n.º 24 de 28 de Dez. de 1933, p. 19v-20



O início da coleção bibliográfica da Biblioteca Municipal de Vila Nova de Gaia remonta à criação do Museu Municipal Azuaga.




Em 1904, data de um momento histórico para o concelho, o então Chefe da Estação dos Caminhos de Ferro das Devesas, em Gaia, o Sr. Marciano do Carmo Martins Viana d’Azuaga doa a sua coleção de peças raras, (arqueológicas, etnográficas, zoológicas, cerâmicas, artes industriais e armamento), oriundas das mais variadíssimas terras do mundo inteiro, à Câmara Municipal de Gaia, pedindo “que as conserve para todo o sempre, reunidas e resguardadas, mas constantemente acessíveis ao público que deseje instruir-se com o exame das espécimens que ellas encerram”.



Cf. Ofício de doação da coleção Marciano Azuaga dirigido à Câmara Municipal em 24 de Fevereiro de 1904 e Ata da Câmara Municipal de Gaia, 25 de Fevereiro de 1904, p. 129v - 131.





A Câmara sentiu-se muito honrada com este legado e preocupou-se de imediato, em sua homenagem, criar um Museu com o nome do doador. O Vereador, Dr. Osório Gondim, propôs que “ para maior realce da offerta e recordação d’ella se crie uma bibliotheca pública, anexa ao muzeu, embora modesta, até que os recursos camarários a pudessem desenvolver paulatinamente e põe em evidência as vantagens d’essa bibliotheca que poderá servir de incentivo para futuras offertas.”



Cf. Ata da Câmara Municipal de Gaia de 25 de Fevereiro de 1904, p. 130v.



A inauguração oficial é em 22 de Maio, com a presença de personalidades do governo da Vila de Gaia e da cidade do Porto, tendo lugar no salão nobre do já referido Clube e sendo honrada com a oferta do senhor Augusto Almeida da Costa, “d’um busto do grande historiador Alexandre Herculano, para a Biblioteca anexa ao Museu a qual conta presentemente cerca de duzentas obras.”



Cf. Ata da C.M.G. de 26 de Maio de 1904, p. 147.





Em breve a Câmara de Gaia muda o interesse museológico trocando as promessas de instalações condignas das coleções de Marciano de Azuaga pela compra efetiva da casa e do recheio do escultor Teixeira Lopes, adquirida por escritura de doação em 18 de Março de 1933, que assim se transforma em Casa-Museu.



Cf. Ata da C.M.G: de 11 de Agosto de 1932.



O Museu Municipal Azuaga era definitivamente encerrado ao público, em 1933, com o argumento das suas instalações serem consideradas extremamente deficientes, e não haver viabilidade de as conseguir melhorar naquele acanhado ambiente. Entretanto, todas as coleções existentes foram devidamente arrumadas, catalogadas e transportadas para as arrecadações dos Paços do Concelho, onde ficaram guardadas - até 1976 - à espera com certeza, de melhores dias. Exceção foram as coleções de numismática e de livros, que ficaram patentes aos visitantes numa das dependências da Câmara até 1940. Desde 28 de Maio de 1935, que se encontrava aberta à consulta pública com cerca de 8.000 volumes.



Cf. GUIMARÃES, Gonçalves - Roteiro arqueológico, 1993