quinta-feira, 12 de abril de 2012

Fundição de bronze: um património artístico gaiense (II) - A criação e evolução da fundição artística em Vila Nova de Gaia


Monumento ao Marquês de Pombal (Lisboa)

Flora, de Teixeira Lopes (Jardim João Chagas, Porto) 

    Monumento túmulo ao general Bento Gonçalves,
de Teixeira Lopes (Rio Grande do Sul – Brasil)

“Assinatura” do fundidor no monumento ao Conde de Arnoso (Guimarães), um dos “Vencidos da Vida” (foto de de António Conde)

Baixo-relevo (Barata Feyo/Laureano Ribatua), Ponte da Arrábida

Local – Mafamude/Santa Marinha/Oliveira do Douro/Gulpilhares

Data – séc. XX (1ª metade)

Sinopse: É sabido que quando Teixeira Lopes esculpiu as portas da igreja de Nossa Senhora da Candelária da cidade do Rio de Janeiro as mesmas foram fundidas, em bronze, em Paris e expostas na Exposição Universal de Paris de 1889. Não havia tradição de oficinas especializadas na fundição de arte em Portugal. Daí que com uma ou outra exceção de trabalhos fundidos em bronze em grandes fundições generalistas (como foi o caso da estátua de D. Afonso Henriques executada na Fundição de Massarelos) os nossos escultores recorriam às fundições estrangeiras. Sentindo essa grande lacuna o Mestre Teixeira Lopes incentivou o seu cunhado Adelino Sá Lemos a acompanhá-lo a Paris e a aprender ali os fundamentos da arte de fundição artística.
Estavam lançadas as bases da “escola” de fundição artística do bronze, em terras de Vila Nova de Gaia, a qual, ao longo de mais de um século, vem formando os homens cujas mãos dão forma perenal ao trabalho dos nossos escultores, com obras que ornamentam e humanizam as principais praças de muitas cidades em Portugal e um pouco por todo o Mundo.   
1.    A Fundição de Bronzes Adelino de Sá Lemos - fundação na Rua Almeida Costa
Com os conhecimentos adquiridos na capital francesa, Sá Lemos, abriu uma pequena oficina na sua casa na Rua Almeida Costa e aí executou o primeiro naipe de fundições artísticas em bronze esculpidas por aquele Mestre. Foi o caso, entre outras, do monumento a Soares dos Reis (inaugurado em 30.10.1904, em Vila Nova de Gaia), do monumento-túmulo do grande herói da revolução Farroupilha, General Bento Gonçalves da Silva (inaugurada em 20.09.1909 no Rio Grande do Sul, no Brasil) ou da escultura denominada “Flora”, em homenagem ao floricultor José Marques Loureiro (inaugurada em Agosto de 1904, no Jardim João Chagas, no Porto).
1.1.       A mudança de instalações para a Avenida da República
Depressa a oficina se tornou acanhada pelo que, em 1910, Adelino Sá Lemos solicitou licença camarária para construção de prédio para habitação e para oficina de fundição de bronzes (Procº 432/1910), na então chamada Avenida Campos Henriques, onde hoje se situa o Café Símbolo. Na nova oficina, onde trabalhou em sociedade com os filhos, foram fundidas, entre outras, a proscrita estátua aos mortos da Grande Guerra de José de Oliveira Ferreira, a que o povo chamou o “Portorrão” (inaugurada na Praça de Carlos Alberto, no Porto, em 11.11.1924 e demolida em 15.01.1925). Aí foi também fundida a escultura que substituiu a anterior, da autoria de Henrique Moreira, inaugurada em 1927. São também obra desta fundição o busto de Camilo no Porto, de Henrique Moreira e variada ornamentação artística na cidade do Porto, nomeadamente no Banco de Portugal, no palácio da Bolsa e no monumento a D. Pedro IV.
1.2. A formação de novas empresas de fundição saídas da “escola” da Fundição Sá Lemos
Esta oficina foi uma verdadeira escola de formação de fundidores que vieram a fundar novas empresas de fundição. Foi o caso, entre outros, de Bernardino Inácio Leite que, em 1933, veio a montar oficina de fundição em Gulpilhares. Foi o caso, igualmente, de José de Castro Guedes e António Maria Ribeiro que, em 1937, fundaram uma oficina de fundição artística, com sede na Rua Conselheiro Veloso da Cruz.
2.    A criação de uma nova empresa de fundição: A Empresa Artística Teixeira Lopes
Em 1921 era criada a Empresa Artística Teixeira Lopes, titulada pelo Mestre Teixeira Lopes, a qual solicitou à Câmara Municipal licença para construção de edifício para oficina e escritórios na Rua Conselheiro Veloso da Cruz (Procº nº 12/1921). Nesta oficina foi executada a fundição em bronze do busto de Rafael Bordalo Pinheiro esculpido por Teixeira Lopes. Em 1927 esta empresa, através do seu gerente Alberto Ponce de Castro, envolveu-se numa polémica com a empresa de Adelino Sá Lemos, por esta ter vencido o concurso para execução dos baixos- relevos de Anatole Calmels, no monumento a D. Pedro IV, no Porto. Desta polémica fizeram eco os jornais diários do Porto e o caso só serenou quando Teixeira Lopes veio a terreiro reprovar a atitude do seu subordinado e afirmar que não pretendia de modo algum criar querelas familiares já que a empresa concorrente pertencia ao seu cunhado.
3.    A criação de uma nova empresa de fundição pela “fusão” das anteriores.
Como foi referido em 1937 foi constituída a Fundição de Arte Guedes & Ribeiro sendo diretor artístico da mesma António Maria Ribeiro. A nova empresa que passou a funcionar nas instalações da extinta “Oficina Artística Teixeira Lopes” capitalizou a experiência desta oficina com a experiência dos seus fundadores adquirida na fundição Sá Lemos. Manteve as antigas instalações da Fundição Sá Lemos, na Avenida da República, nº 1 101.
4.    Empresas de fundição na atualidade
Presentemente existem no nosso concelho três empresas de fundição em atividade com raízes que entroncam nas empresas de fundição artística acima descritas. São elas a Fundição Bernardino Inácio Leite, fundada em 1933, com sede em Gulpilhares; a Fundição de Arte Araújo & Guedes, fundada em 1937 (embora com outra denominação social), com sede na Rua Conselheiro Veloso da Cruz e a Fundição de Bronzes de Arte Lage, fundada na década de oitenta por Fernando da Silva Lage e com sede em Oliveira do Douro.
Das suas origens, evolução e principais trabalhos daremos conta em ulterior estudo.

Remissivas: A arte em Vila Nova de Gaia/Fundições de arte/Firma José de Castro Guedes./ Fundição de Bronzes Adelino de Sá Lemos/ Empresa Artística Teixeira Lopes/ Fundição Bernardino Inácio Leite/ Fundição de Arte Araújo & Guedes/ Fundição de Bronzes de Arte Lage.

Bibliografia:
. Arquivo Municipal Sofia de Melo Breyner - L/E.04.01-PT.13/DOC.38 - C/1/I/2 - LIC. Nº 97/1910; L/E.04.01-PT.36/DOC.47 - C/1/I/4 - LIC. Nº 9/1922.
. Fundição de Arte Guedes & Ribeiro, Vila Nova de Gaia, [1940].
. LEÃO, Manuel; Aspetos da arte de fundir estátuas em Gaia, in Boletim da Associação Cultural Amigos de Gaia. - Vol. 10, nº 61 (Dezembro de 2005), pp. 37-39.
. PEDROSA, David; A arte de fundir em bronze: glória de Vila Nova de Gaia que tende a desaparecer, In: Boletim da Associação Cultural Amigos de Gaia. - Vol. 1, n.º 10 (Maio, 1981), pp. 24-29.
. SANTOS; Agostinho; Do Bronze se faz Arte; in Jornal de Notícias, Porto, 08.11.2008.

Webgrafia:
. http://www.fundicaolage.com/paginas/quem_somos/quem_somos.html

                       Sala de Fundo Local, Abril de 2012