quarta-feira, 9 de novembro de 2011

A obra dos escultores gaienses em terras de Guimarães















“D. Afonso Henriques” – Soares dos Reis (foto de António Conde)














Escultor António de Azevedo














Francisco Martins Sarmento – António de Azevedo(Foto de António Conde)














Gravador Molarinho – busto de Teixeira Lopes (foto de António Conde)















Monumento a Alberto Sampaio - António de Azevedo (Foto de António Conde)





Local: Guimarães
Data: séc. XIX - XX
Sinopse: Uma das esculturas mais conhecidas em Portugal é a de D. Afonso Henriques e encontra-se situada no Monte Latito, junto ao castelo de Guimarães; porventura muita gente desconhecerá que o seu autor foi o escultor gaiense Soares dos Reis. O original desta estátua, em gesso, encontra-se, aliás, numa sala do Mosteiro da Serra do Pilar, contígua ao claustro. Acresce que a chamada Escola de Escultura de Gaia tem outros representantes na cidade de Guimarães. Espalhados pelos jardins e praças daquela cidade, que em 2012 será a Capital Europeia da Cultura, existem monumentos esculpidos pelos escultores gaienses Teixeira Lopes e António Ferreira de Azevedo e uma estátua, ao 1º Conde de Arnoso, fundida, em Vila Nova de Gaia, na Fábrica de Bronzes de Arte de José C. Guedes e inaugurada em 1960.
Num passeio virtual, que pode servir de mote à visita real, vejamos, em pormenor, a obra dos nossos artistas.
Soares dos Reis (1847-1889). A primeira obra deste escultor, em Guimarães, foi uma imagem da Virgem, a qual, por ter sido considerada demasiado profana, em terra de profunda religiosidade, não foi muito bem aceite.
Em 1885 o município vimaranense, na comemoração do VII centenário da morte de D. Afonso Henriques, contratou com Soares dos Reis a execução da estátua, a qual, dois anos mais tarde, foi inaugurada no Largo de S. Francisco. Concluída a obra na Fundição de Massarelos, no início de Setembro de 1887, foi inaugurada a 20 do mesmo mês com a presença do rei D. Luís I. O projecto de Soares dos Reis teve duas versões em tudo idênticas; na primeira versão a cota da malha ia até ao joelho e na versão final a cota desceu até aos pés. Em 1911 a estátua foi transferida para a praça maior, a Praça do Toural sendo a estátua conhecida popularmente como “o rei preto”. Em 1940, na comemoração dos Centenários e consequente recuperação dos monumentos que constituem a Colina Sagrada (castelo, igreja de S. Miguel e Paço dos Duques de Bragança), foi transferida para o largo fronteiro a estes monumentos. É lá que a que podemos encontrar hoje no seu lugar altaneiro; representa o rei como um guerreiro, de armadura, empunhando a espada levantada. Refira-se que existe uma réplica desta estátua, em Lisboa, no castelo de S. Jorge, a qual foi inaugurada em 25 de Outubro de 1947, por ocasião das Comemorações do VIII Centenário da Conquista de Lisboa aos Mouros. Foi oferecida pela cidade do Porto à cidade de Lisboa.
Teixeira Lopes (1866-1942). É obra deste escultor o busto do Gravador Molarinho, de seu nome Arnaldo José Nogueira (1828-1911) existente na antiga Feira do Pão, hoje denominada de Largo Condessa do Juncal. O monumento foi feito de parceria com o escultor António Ferreira de Azevedo.
António Ferreira de Azevedo (1889-1968). Escultor nascido na freguesia gaiense de Mafamude, sendo filho de Abílio Pereira de Azevedo. Radicou-se em Guimarães onde desde 1931 a 1958 foi professor e mais tarde director na Escola Industrial Francisco de Holanda. Naquela cidade minhota, onde faleceu em 18 de Abril de 1968, passou os últimos 37 anos da sua vida e aí produziu boa parte da sua obra, embora também esteja representado em Braga e no Porto. São da sua autoria:
. o monumento ao Gravador Molarinho cujo busto, acima referido, é da autoria de António Teixeira Lopes.
. o busto e monumento a Martins Sarmento (1833-1899) que foi inaugurado em 1933, no Largo Martins Sarmento ou Jardim do Carmo, por ocasião do centenário do nascimento daquele insigne arqueólogo.
. o busto a Alberto Sampaio (1841-1908) que foi previsto por altura das comemorações do centenário do nascimento daquele historiador mas só foi executado mais tarde e inaugurado em 10 de Junho de 1956 integrado nas comemorações do Dia de Portugal. Situa-se no Largo dos Laranjais.
. escultura “Faunito” – integrada numa fonte existente na actual Alameda de S. Dâmaso e que agora foi ligeiramente deslocada no âmbito das obras de reabilitação da Capital Europeia da Cultura 2012. Serviu de modelo a esta escultura um então jovem aluno da Escola Industrial Francisco da Holanda e mais tarde comerciante da urbe vimaranense de nome José de Sousa.
. escultura “Rapariguinha” – encima uma fonte existente no jardim da Alameda de S. Dâmaso.
Manuel Leão (op. cit. p. 37) atribuiu a António de Azevedo a autoria do tanque monumental da praça do Toural mas tal informação carece de fundamento.
Aqui deixámos este breve registo de obras de três importantes figuras da Escola de Escultura de Gaia a merecer uma visita.



Bibliografia:. Álbum fototípico e descritivo das obras de Soares dos Reis. Livro do Centenário – 1889-1989, Vila Nova de Gaia, Afonseiro Edições, 1988
.GUIMARÃES, Gonçalves; GUIMARÃES, Susana, Retratos Reais da Monarquia Constitucional, V.N. de Gaia, Câmara Municipal de V. N. de Gaia, 2000.
. LEÃO, Manuel; A arte em Vila nova de Gaia, Vila Nova de Gaia, Fundação Manuel Leão, 2000
.

Webgrafia:. http://repositorio-blog.planetaclix.pt/EstatuasGuimaraes.pdf [consultado em 28.10.2011]
.http://www.oconquistador.com/func/printversion.asp?idEdicao=132&id=3034&idSeccao=733&Action=noticia [consultado em 28.10.2011]


Sala de Fundo Local, Outubro de 2011.